A Nova Cena Musical Alternativa do Anjo da Guarda


Não é de hoje que a Área Itaqui-Bacanga vem se tornando um verdadeiro “celeiro de artistas”. Tantos são os expoentes artísticos que sempre povoaram essas terras da ponte pra cá, deste lado do Rio Bacanga. Porém, nas últimas décadas, a produção cultural, artística e musical tem se tornado cada vez mais pujante e diversificada. 

Já faz tempo que nomes como Gigi Moreira, Zeca Melo, Pantin, Godinho, Wilson Bozó, dentre outros nomes da música popular maranhense “Made in Itaqui-Bacanga”, figuram entre os grandes desbravadores que abriram caminho para que novos talentos pudessem mostrar seus trabalhos em várias vertentes musicais.

O Bairro do Anjo da Guarda, tem se tornado o polo musical para onde converge esse novo olhar sobre a atual cena cultural e artística da área. A produção musical ferve, com o surgimento de um grande número de artistas e bandas que vem pouco a pouco galgando seu espaço na cena musical. Nomes já tarimbados como Khan Fernandes, Alê Durrock, MC Alcino, Junior Moreira, juntam sua experiência a novos nomes como Ramon Eisnten, Sarah Abreu e Kamila Melo. Compositores, muitos dos quais, premiados, como Samuel Brandão e Ronildo José se somam a músicos de talento imensuráveis como Adriano Rosas, Jhony Silver, Samuel Carvalho, José Roberto, Walber Bonfim, dentre tantos outros, que animam as noites e eventos não apenas no bairro, como em outros pontos da cidade. 

As casas noturnas da área investem cada vez mais na talentosa prata da casa, e os espaços pra quem curte os mais variados estilos musicais, se proliferam cada vez mais pelo bairro. Há espaço pra quem gosta de pagode, reggae, arrocha, sertanejo, MPB e o bom e velho rock’n Roll. Tudo democraticamente espalhado por vários pontos da comunidade. Desde o pagode do Bar do Toy ao MPB alternativo do Quiosque do Vinil, do Rock Clássico da Banda Deu Sexo à miscelânea musical da banda Pai Francisco, o Anjo da Guarda e adjacências, inspira e transpira musicalidade.  

A Nova cena musical alternativa do Anjo da Guarda vem se reinventando ao longo dos anos. Festivais como o “Angel Rock Festival” que vem sendo feito desde os anos 80, os barzinhos com música ao vivo, as rodas de compositores que trocam experiências e músicas novas, os jovens músicos, as novas bandas, a velha guarda, tudo isso inspira e renova esse caldeirão cultural do Anjo da Guarda.  Mesmo nesses tempos difíceis, quando, por motivos óbvios, se recomenda ficar em casa e evitar aglomerações, mesmo assim, há sempre em algum terraço, varanda ou sacada do bairro, alguém dedilhando um violão ou outro instrumento qualquer, espalhando melodias pelos ares do bairro dos Anjos.

 (*) Jaime Jotta Jr, é Designer, Músico e Escritor.
TAG