O Mindset do Empreendedor diante da Pandemia da COVID - 19


Muito se fala sobre mindset e sobre empreendedorismo; mas será que compreensão dos termos consegue alcançar todas as pessoas? Será que há correlação entre eles e ainda algo a ver com os desafios decorrentes da pandemia pela qual estamos atravessando? Temos certeza que sim!

1.       Mindset
Mindset pode ser entendido como mentalidade ou modelo mental. É a maneira como nós organizamos nossos pensamentos e os reflexos gerados em nossas atitudes diante das diversas situações da vida. E é a partir desses reflexos, que somos mal ou bem sucedidos naquilo que escolhemos desenvolver, seja em nossa vida pessoal, ou na profissional. 
Carol Dweck é professora, psicóloga, pesquisadora e autora do best seller Mindset – a nova psicologia do sucesso. Nesse livro, dentre tantas coisas, ela nos mostra que a opinião que adotamos a respeito de nós mesmos impacta profundamente na forma como vivemos. E a partir daí, acabamos por adotar um dos dois tipos de mindset - fixo ou de crescimento - cujas características principais apontaremos aqui, ressaltando que, para saber se você pertence ao primeiro ou ao segundo grupo, não precisa se encaixar em absolutamente todas as características, mas na maioria delas.
Pessoas de mindset fixo:
* Tem grande preocupação com erros e fracassos;
*  Preocupam-se em demonstrar suas capacidades;
*  Acreditam que talento é tudo e, portanto, não valorizam o esforço;
*  Acham que se você possui aptidões não precisa aprender. Ou ela existe, ou não existe;
*  Rejeitam a possibilidade de se transformar, pois entendem que as coisas são de alguma forma, ou não são, e ponto;
*  Olham testes como uma medição de sua inteligência;
*  Querem as coisas perfeitas e sem muito esforço, ou seja, ser perfeito praticamente de saída;
*  Enxergam o sucesso como êxito;
*  Culpam e afastam críticos;
*  Se líderes, temem que seus subordinados levem crédito;
*  Pensam que “os grandes gênios não precisam de grandes equipes”, mas de “subordinados para executarem suas ideias brilhantes”;
*  Respondem ao insucesso com críticas e desculpas.
Pessoas com mindset de crescimento:
*  Entendem que esforço e experiência possibilitam modificação e crescimento;
*  Tem paixão pelo aprendizado;
*  Buscam vencer suas deficiências;
*  Buscam amigos e parceiros que estimulam seu crescimento;
*  Prosseguem no caminho do desenvolvimento, mesmo quando as coisas não vão bem;
*  Assumem riscos e desafios;
*  Transformam adversidades em sucesso;
*  Possuem perserverança e resiliência;
*  Gostam de enfrentar desafios e progredir;
*  Olham testes como medição de aptidão, não de inteligência, pois sabem que é preciso tempo para que seu potencial floresça;
*  Enxergam o sucesso como uma forma de desenvolvimento;
*  Acreditam no Desenvolvimento Humano;
*  Se líderes, tem profunda preocupação com o desenvolvimento de sua equipe e discutem constantemente sobre isso;
*  Estão sempre em melhoria;
*  Enfrentam seus próprios erros.

2.    Empreendedor
         Pensar em exemplo de empreendedor é pensar em Flávio Augusto da Silva. Brasileiro, empresário, escritor, fundador da Wise Up e da Geração de Valor, além de proprietário do Orlando City Soccer Club , Flávio Augusto é considerado ícone no empreendedorismo e nos aponta três elementos básicos para ser um empreendedor de sucesso: visão, coragem e competência. Vamos discorrer sobre cada um desses elementos, unindo o que ele destacou a literaturas diversas e à nossa experiência como especialistas em Gestão de Negócios, especialistas em Gestão de Pessoas em Ambiente de Mudanças e à nossa vivência como empreendedora.
         A visão do empreendedor é aquela que permite enxergar além do que a maioria enxerga; é vislumbrar um horizonte além do óbvio. E essa visão não é imutável, pois se as condições mudam, é preciso revê-la. O empreendedor é audacioso naquilo que busca e ágil na percepção de mudanças que implicam em modificações no tamanho ou na forma de seu alcance; isso não significa reduzir o tamanho da conquista, mas transformar obstáculos em oportunidades, que o levem ao alcance pretendido ou, até mesmo, quando possível, ir além.
A coragem está diretamente relacionada à capacidade de correr riscos, de não se prender ao que deu certo “até agora”, mas analisar o que pode dar certo “a partir” de agora, para sair na frente. Algumas vezes, é preciso remodelar ou até mesmo modificar radicalmente as estratégias do negócio, se elas já não funcionam mais.
Quando cita as competências, Flávio Augusto destaca a execução e a Gestão de Pessoas e alerta – essa última precisa começar pelo próprio empreendedor, para depois estender-se à sua equipe. Vamos falar um pouco mais sobre isso?
O que acontece diante da constatação que as coisas não estão mais funcionando como deviam? Muitos imediatamente perguntam, a si mesmos ou aos outros, “o que” fazer e saem em busca do que outros estão fazendo, o que muitas vezes não dá um bom resultado, dentre outras razões, pelo fato de não trabalharmos exatamente com os mesmos produtos e serviços ou não termos a mesma visão ou não termos o mesmo propósito. Saber o que fazer é fundamental para que efetivamente se aja, mas a execução é muito mais efetiva se sabemos o “como” fazer e, antes disso, o “por que” fazer. E esse “por quê” está relacionado ao seu propósito.
Quando falamos em Gestão de Pessoas tendemos a pensar naqueles que trabalham conosco; mas essa não é a melhor forma de aumentarmos a performance de nossa equipe. Se você é do tipo que acha que os problemas sempre estão na sua equipe, peço desculpas pela sinceridade, mas é quase certo que o problema esteja com você. Volte ao início deste artigo, no item referente a mindset, e veja se o seu comportamento se encaixa na maioria das características do mindset fixo ou do mindset de crescimento.

3.       A pandemia da COVID 19 e seus reflexos no empreendedorismo
A pandemia, dentre tantas consequências trazidas, nos mostrou a grande diferença entre possuir um negócio e ser empreendedor. E acreditamos que isso fica claro quando analisamos as principais características do mindset do verdadeiro empreendedor.
Ser empreendedor passa por “pensar fora da caixinha”, por buscar saídas diferentes para novas situações, por arriscar testar novas formas de fazer, por trabalhar o desenvolvimento da sua equipe (para os que não trabalham sozinhos), por reconhecer que tem fraquezas e enfrenta-las, buscando soluções, e por entender que sucesso tem mais a ver com a caminhada do que com o resultado.
Verdadeiros empreendedores, diante do “novo”, decorrente da pandemia, observaram as mudanças necessárias em produtos e serviços oferecidos, na logística implementada e na necessidade de mudanças nas estratégias de negócio. Enquanto muitos paralisaram e se prenderam a reclamar pela necessidade de reduzir ao máximo qualquer possibilidade de contato físico, as mentes empreendedoras se reinventaram e entenderam que novas competências estão sendo desenvolvidas e que isso leva um certo tempo e muita dedicação. Enquanto uns continuam chorando, relembrando o velho ditado, outros vendem milhares de lenços!
E por falar em “novo”, como empreendedor, você já deve ter se dado conta de que outros “novos” ainda estão por vir, não é? Ou você ainda espera que tudo volte a ser como antes e que todos os seus clientes retornem com as mesmas necessidades e expectativas?
Se você continua aguardando o retorno dos seus clientes; permanece com a mesma postura adotada antes, diante de seus empregados; se utiliza das mesmas mensagem para atrair novos clientes; tem passado grande parte do seu tempo se lamentando, se justificando; se mantém preso às mesmas estratégias ou ainda não havia pensado sobre isso, nunca é tarde! Você pode desenvolver o mindset de crescimento e se fortalecer como empreendedor. E a pandemia, não é um obstáculo intransponível, é uma oportunidade de crescimento e fortalecimento, de criatividade e inovação, de reinvenção e, com tudo isso, de sustentabilidade e competitividade. Nós podemos lhe ajudar!

Diana Gaspar é empreendedora, mentora, master coach, especialista em Gestão de Negócios e Gestão de Pessoas em ambiente de Mudanças.
TAG